Pequenos filamentos arroxeados ou vasos grossos e sinuosos claramente visíveis na pele: assim são as Varizes e Vasinhos. A diferença entre eles é que: os Vasinhos (técnicamente chamados de Telangiectasia) ficam nas camadas da pele e tem no máximo um milímetro de diâmetro, já as Varizes tem diâmetro superior a um milímetro e estão localizadas embaixo da pele. É comum que as Varizes passem a ter um trajeto sinuoso, formando curvas principalmente nas pernas.

FATORES DE RISCO
● Gravidez;
● Ser mulher (2,5 a 3 mulheres tem a doença para cada 1 homem);
● Idade avançada;
● Excesso de peso e obesidade;
● Histórico familiar;
● Passar muito tempo em pé;
● Condições que aumentam a pressão no abdômen (doenças no fígado, líquido no abdômen ou insuficiência cardíaca);
● Fístulas arteriovenosas;
● Passado de Trombose venosa profunda.

SINTOMAS
● Podem não apresentar sintomas além do aparecimento das veias tortuosas, dilatadas e azuladas, mas podemos incluir alguns sintomas:
● Dor, ardor ou sensação de peso nas pernas, que podem ser mais acentuados no final do dia;
● Leve inchaço, geralmente envolvendo pés e tornozelos;
● Coceira na pele sobre a veia varicosa.

OS SINTOMAS MAIS GRAVES SÃO:
● Acúmulo de líquido e inchaço na perna;
● Inchaço e panturrilha com dor significativa após ficar sentado ou em pé por muito tempo;
● Mudanças na cor da pele ao redor dos tornozelos e pernas;
● Pele seca e esticada.

Esses sintomas podem se agravar antes e durante o período menstrual.

DIAGNÓSTICO
Geralmente são diagnosticadas fazendo uma análise da pele e aparência das veias, buscando os sintomas de inchaço, alterações na cor da pele, úlceras e outros sinais de ruptura da pele. Para estudar o fluxo de sangue, você pode precisar mover suas pernas em posições diferentes. Após um bom exame clínico, você poderá fazer um exame de ultrassom Doppler Colorido Venoso de Membros Inferiores.

TRATAMENTO
Para a maioria dos casos, podem ser tratadas com medidas de autocuidado como:
● Exercício físico;
● Emagrecimento;
● Evitar o uso de roupas apertadas;
● Elevar as pernas sempre que possível;
● Evitar longos períodos em pé ou sentado;
● Meias de compressão também podem ser usadas, mas com recomendação médica.

ALÉM DESSAS MEDIDAS BÁSICAS, PODE SER QUE PRECISE FAZER UM DESSES TRATAMENTOS:
● Escleroterapia;
● Cirurgia, que são individualizadas para cada pessoa: pode-se usar a cirurgia convencional, laser, radiofrequência, espuma eco guiada ou mini cirurgia com anestesia local, de acordo com a evolução da doença. Por isto recomenda-se cuidar o mais precoce possível para que o tratamento seja o mais simples.